Governador se reúne com presidente da usina, Ricardo Medeiros, e acerta transferência de moradias

Na última sexta-feira, 15, um importante passo para os moradores da Vila de Furnas foi dado. Em reunião com o presidente da usina, Ricardo Medeiros, o governador do estado, Marconi Perillo, providenciou a transferência definitiva da vila, em Caldas Novas, para os moradores das cerca de 500 unidades habitacionais do conjunto.

O conselho da estatal, ainda proprietária do residencial, vai se reunir nesta semana para formalizar o acordo. O acordo prevê a transferência das casas para o governo de Goiás e, posteriormente, para os moradores.

A vila foi originalmente construída para abrigar os funcionários que trabalharam na construção da Usina de Corumbá. Com o fim das obras, no final dos anos 1980, os trabalhadores contratados para a obra deixaram o local e parte das casas foi vendida para famílias remanescentes ou ocupada por moradores da região. Furnas chegou a conseguir na Justiça, em 2013, a reintegração das moradias, com ordem de despejo obtida na Justiça.

O governo de Goiás, em conjunto com a prefeitura, atuaram junto a Furnas e ao governo federal para evitar o despejo e abriram as conversações para viabilizar a transferência. Desta forma, será possível promover a regularização das unidades com a transferência do título de propriedade para os moradores. Desde a ocupação após o término das obras da Usina de Corumbá, boa parte das casas também foi vendida para outros moradores.

Situada no rio Corumbá, distante cerca de 30 km da cidade de Caldas Novas, a Usina de Corumbá tem potência instalada de 375 MW, dividida em três unidades geradoras. As obras foram iniciadas em 1982, pela Celg e depois transferidas para Furnas, em 1984. Na ocasião, as obras estavam paralisadas e só foram reiniciadas em junho de 1987, quando o nível máximo do reservatório foi limitado à elevação de 595 metros.

Fonte: Governo do Estado de Goiás