Nos três primeiros meses de 2017, Maternidade pública de Caldas Novas realiza 161 partos

Categoria: Notícia, Saúde
Média é de 53 novos nascimentos por mês. Municípios da região Sul mantém média mensal próximo a 10
Maternidade Amor e Esperança (Mae)
A Secretaria de Saúde de Caldas Novas divulgou nesta semana informações sobre partos realizados na Maternidade Amor e Esperança (MAE).
De janeiro a março, deste ano, 161 bebês nasceram. A média é de 53 nascimentos por mês. Dos partos realizados, 100 foram cesarianas e 61 normais. Média mensal de 33 partos cesáreos e 20 por método normal. Nas cidades da região Sul de Goiás, a média é de 10 partos a cada trinta dias.
Segundo diretora responsável pelo Hospital, Rogeriana Alves, o crescimento no número de partos realizados no município é resultado dos investimentos feitos, nos últimos anos, para a estruturação da unidade, como a valorização da equipe médica especialista. “Com a qualificação do corpo clínico podemos oferecer um atendimento de qualidade e humanizado para as grávidas, que hoje têm mais tranquilidade durante a gestação porque sabem que não precisam sair de Caldas Novas para ter um acompanhamento completo da situação de seu bebê e um parto seguro”, enfatizou a diretora.
A dona de casa Daniela Paula foi atendida na Maternidade e se sentiu segura com o acolhimento que recebeu. “Desde o primeiro momento em que entrei, me senti tranquila e amparada pela equipe médica. Essa confiança refletiu o bom atendimento que tive”, afirma a mãe do pequeno Miguel, que nasceu há 10 dias na Maternidade Amor e Esperança.
SIGA MAMÃE
Desde os primeiros sintomas da gravidez, é feito um acompanhamento da gestação, que acontece nos postos de Saúde, através da Atenção Básica.
Esse acompanhamento é feito por meio do projeto do Ministério da Saúde chamado “Siga Mamãe”, no qual todas as gestantes que realizam o pré-natal são cadastradas em um sistema nacional.
Neles, são informadas toda a  trajetória, intercorrências, exames e evolução da gestação.
Esse sistema interliga todas as gestantes da rede municipal de saúde. “Mesmo que a mãe mude de setor e de unidade de atendimento, todo o seu pré-natal estará registrado, facilitando e melhorando o atendimento prestado”, afirma Lívia Afonso Serpa, diretora do Núcleo de Assistência à Saúde da Família em Caldas Novas.
A iniciativa de monitorar as gestantes é um modelo adotado em países como Noruega, Suécia, Portugal e Espanha, em que as mamães e os bebês são seguidos a cada consulta e a cada intervenção.
Após o nascimento, o bebê também é cadastrado e acompanhado pela unidade de saúde ate os 2 anos, verificando-se o seu desenvolvimento físico, mental e intelectual ( Siga Bebê). Ambas as medidas visam diminuir as taxas de mortalidade infantil e têm sido muito eficazes.
As 17 unidades de saúde em funcionamento hoje no município atendem a uma média de 60 a 120 gestantes, bem como seus parceiros, que, desde novembro do ano passado, também estão sendo chamados a participar do pré-natal, no chamado “pré-natal do papai”.
Cerca de 90% dos pais já aderiram. De acordo com o Ministério da Saúde, essa participação é muito importante e influencia positivamente no transcorrer da gestação.
Fonte: Secretaria de Saúde de Caldas Novas

Deixe uma resposta