Estudantes estão sendo avaliados e tratados no próprio ambiente escolar

Os pais de alunos do ensino fundamental matriculados na rede municipal de ensino de Caldas Novas estão sendo informados sobre a Campanha Nacional de Hanseníase e Geo-helmintíases do Ministério da Saúde, que acontece no município desde o começo de fevereiro e vai até o início de abril.

Os estudantes levaram para casa um informativo explicando o objetivo da campanha, que visa à redução de parasitas intestinais (lombrigas e outras verminoses) entre crianças e adolescentes, além da identificação de possíveis casos de hanseníase entre estudantes com idade entre 5 e 14 anos.

De acordo a Coordenadora da Atenção Básica, Líva Serpa Afonso, os profissionais estão visitando as escolas em busca de alunos que apresentem sinais e sintomas das doenças (manchas no corpo). Além disso, os estudantes estão sendo tratados contra parasitas intestinais, através da administração oral de um comprimido de medicamento, em dose única.

O remédio está sendo administrado pelos profissionais de saúde, na própria escola, após a autorização da família, sendo que os responsáveis que não concordarem com a medicação devem preencher o termo de recusa, também enviado pela escola.

Com a campanha, o Ministério da Saúde espera aumentar o diagnóstico precoce e identificar comunidades em que a hanseníase e as verminoses ainda persistem. Os casos suspeitos serão encaminhados à rede básica de saúde para confirmação e início imediato do tratamento.

A hanseníase é uma doença crônica, infectocontagiosa, causada por um bacilo capaz de infectar grande número de indivíduos. Possui alto poder incapacitante, motivo histórico de estigma e exclusão. A doença tem tratamento e, obedecendo todas as orientações, tem cura. Já os parasitas intestinais podem prejudicar o desenvolvimento e o rendimento escolar da criança.

Segundo informações do Núcleo de Epidemiologia de Caldas Novas, a realização do tratamento preventivo em estudantes está em conformidade com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) que preconiza o uso de medicação de forma periódica como uma medida preventiva e efetiva para redução da carga parasitária e das suas complicações. A estratégia no ambiente escolar, já utilizada e comprovada internacionalmente, reduz os custos do tratamento e potencializa os resultados da intervenção, porque proporciona a oportunidade de atingir o maior número de estudantes.

Fonte: Secretaria de Saúde de Caldas Novas