Dia da Consciência Negra é lembrado na escola Waldir Arantes

Categoria: Educação, Notícia

Trabalhos de pesquisa apresentaram algumas reflexões sobre formas de preconceito praticadas na atualidade

Dia da Consciência Negra (6)

Os professores Leonardo José do Carmo de Língua Portuguesa e Juliana Kummer, de História, apresentaram com alunos nessa segunda-feira, 20 de novembro, na Escola Municipal Waldir Arantes, um trabalho de pesquisa sobre o racismo.

A apresentação contou com exposições de dados históricos e textos de abordagem reflexiva a respeito da construção do preconceito que ainda persiste na atualidade. Com camiseta e cartaz “Racismo é crime” o professor defende a discussão com toda sociedade, começando pela escola sobre como identificar e combater o racismo em pleno século XXI.

“Ao trazer algumas imagens e cartazes sobre essa constituição do racismo que se dá pelas práticas do nosso cotidiano, queremos discutir com os alunos algumas questões colocadas, sobretudo na linguagem que usamos no dia a dia que nem sequer notamos que estamos reafirmando o racismo. Exemplo: dizermos que alguém tem o cabelo ruim, cabelo de Bombril,é de certo modo a reafirmação do preconceito”, explicou Leonardo.

Dia da Consciência Negra (4)

No trabalho de pesquisa dos professores, houve vários exemplos de situações, expressões que naturaliza o racismo, como o ditado “Da cor do pecado”, associando a mulher negra a hispersensualização e “mercado negro” que implica como sentido de mercado ilegal.

Dia da Consciência Negra

A data foi escolhida por coincidir com o dia atribuído à morte de Zumbi dos Palmares, em 1695.  O Dia 20 de novembro é lembrado como o Dia da Consciência Negra, a data foi criada em 2003 e foi instituída nacionalmente em 2011. Em todo país cerca de mil cidades oficializaram como feriado, da mesma forma cinco estados brasileiros, como Rio de Janeiro, Alagoas, Amazonas, Amapá, Mato Grosso também aderiram como feriado.

Dia da Consciência Negra (3)

Deixe uma resposta